sexta-feira, 26 de julho de 2013

Querido Diário.

"Querido Diário,
Resolvi parar de reclamar e mandar um foda-se pra tudo."

Eu sou a mesma de sempre: sonhadora.
E ainda gosto muito de poluição. Sonora, visual. Coisas em excesso sempre me deixam em excesso, e eu adoro transbordar.
Bordar coisas novas e limpas em cima de coisas velhas e já sujas. Não! Nunca limpe a poluição sonora que me invade, deixe que eles falem e gritem e percam o sentido ou o respeito.
Deixe que eles andem e corram e mudem de cômodo. E parem a musica.
Mas não os deixe limpar o lugar.
Ocupemos de pensamentos e incômodos todo cômodo que é acomodado. Ocupemos de líricos e agudos todo grave que é gravado.
Não! Não permitam que a música pare.
Enlouqueça em poucos segundos, quase esqueça do frio.
'Brisa, você é insana.'
'Eu sei... E as vezes eu quase gosto disso.'
As vezes eu realmente quase gosto de alguma coisa.
E beba o seu café. Quase em transe, em êxtase, transe de um estado ao outro, em diferentes posições. Subordine-se uma vez às suas vontades de sempre. E beba o seu café. E fume o seu cigarro.
perdi o sentido da coisa.

"A começar por você. Favor não me deixar escrever aqui de novo.
Obrigada."

26/07/2013

sexta-feira, 19 de julho de 2013

a poesia faz aniversário.

Se eu pudesse, certamente me apaixonaria por você, você sabe, não é?!
E mesmo quando eu não posso, eu sou perdidamente insana por você. 

Pelas suas atitudes pequenamente grandiosas, pelas suas ironias ou do destino, pelas suas palavras certeiras e pelas suas incertezas latejantes.                                         As rimas, os parágrafos, as vírgulas, os pontos. 
Você me faz querer ser uma reticência no meio de tudo o que quero finalizar. Estou para descobrir o que acontece comigo quando você quase aparece na minha vida.
Acho que é disso que preciso, me refugiar um pouco e beber, chorar, sorrir, fotografar, escrever, cantar, fumar, ter/ser/querer você. Você é o que me faz dançar sozinha na sala de casa, numa sexta-feira a noite,  e desejar que a única companhia seja Florence no meu fone de ouvido, gritando, berrando, louca!
Comecei a escrever e queria te dizer milhões de coisas, mas nada mais disso faz sentido, perdeu-se, caiu no buraco da Alice.
E a propósito, eu te amo, mesmo sem saber o que é exatamente isso.
E admiro, cada pegada sua.
Hoje, por exemplo, você faz aniversário. A versão doispontozero da vida, duas décadas de sofridas despedidas e gozadas insanas - é gozado, não?!
Queria te dizer coisas que você se lembraria. Coisas distintas de tudo o que eu já disse. Coisas insanas, talvez, quase insignificantes demais pra passar em branco. Que eu desejo os seus desejos e que felicito todas as suas felicidades: todo o resto é poesia.

19/07/2013

quarta-feira, 17 de julho de 2013

Já jurei com dedos cruzados, CRUZADOS!

Ela não tem muita grana
(nem muita garra)
Diz que sabe dançar, mas mal sabe andar pra lá e pra cá
Diz que sabe escrever, mas apaga as palavras a cada vírgula que acrescenta
Diz que sabe fotografar, mas esquece de apertar o botão nas cenas mais lindas
Diz que é simples, mas tem um brilhantismo que nunca descarta
Diz que sabe falar, mas gagueja quando tem muita gente perto
Diz que fuma bonito, mas sempre esconde o cigarro atrás de si
Diz que gosta de café, e quase sempre perde a mão
Diz que odeia mentiras, mas carrega toneladas delas na mochila
Diz que vai esquecer e continua relatando.
Diz que adora sorrir, mas sempre sorri quietinha
Diz que é tímida e espalhafatosa.
Não sabe o que é. Não sabe o que quer.
Mas, uma coisa ela faz muito bem: tenta. 

E não fugir tem sido seu maior troféu.

segunda-feira, 15 de julho de 2013

Sem ofensas.

Oi! 
Agora me deu uma vontade insana de escrever pra você. É, pra você mesmo, que as vezes me lê sem querer, que me acompanha, que me observa, que me alfineta, que me inspira.
Quero conseguir agradecer pelas mãos dadas sempre que me abre: é fantástico! 

E quando eu me mostro, quando eu dou a cara a tapa... 
Existem tantas pessoas que me seguem e isso é tão legal.
E mesmo você que só me lê para saber o que eu tenho sentido, se é ou não da sua conta, já te informo: não é da sua conta, mesmo que isso só cresça meu ibope.
Quero abraçar cada par de olhos que esperam chegar até o último ponto final, e muitas vezes não chegar a lugar nenhum e ficamos no mesmo lugar juntos, e voamos cada dia mais longe e juntos, 

paralelamente.
Obrigada a você que, querendo tomar conta da minha vida só morde a língua cada vez que chega aqui.
 

Obrigada, todas a vocês, queridas, 
E VOLTEM SEMPRE!

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Gaiola de Diamantes.

Seja como for: eu não tenho mais pressa.
Que as coisas fluam, deixa estar, deixa isso, deixa passar.
A menina é um mistério
E eu adoro mistérios! Porque eles me fazem escrever.
 

Seja como for: uma rainha!
Que em um jogo de tabuleiro recua
E avança
E recua
Deixe que as outras peças se matem, se comam, se joguem!
mas tudo no seu devido tempo, sem pressa.
E para jogar, tenho me dado palpites diariamente
desde que acordo, até a hora de dormir.
E toda vez que coloco a cabeça no travesseiro com o cheiro de outra pessoa eu percebo que sim, é hora de
recuar
e aprender a lidar com outras peças.
 

Xeque-Mate!


11/07/2013

sábado, 6 de julho de 2013

pega a gentileza e enfia no cu.

Você chegou pra falar comigo como se nada tivesse mudado, perguntou sobre meu cabelo bagunçado.
Deixamos de lado tudo o que tornava a situação confortável e apostamos na formalidade. Foi um susto -
você apareceu na minha frente e disse que não podia me deixar passar assim.
Eu te vi agora, de novo e mais uma vez, e vai ai a novidade:
você já me deixou passar assim, eu sinto muito.
Muito mesmo.
Acredito que as pessoas que eu conheço, grande parte delas, quase todas, são muitíssimo vazias
E as que eu não conheço, algumas espalhadas, parecem ser bastante legais.
Acontece que gosto normalmente daquilo que eu não posso ter.
Ou do que nunca conhecerei por completo.

4/7/2013