domingo, 30 de junho de 2013

reticências.

É quase só isso, mas ainda falta pimenta.
Seria muito clichê se eu dissesse que quero te ver, e o fato de você tá longe é uma merda?!
Porque mesmo que você quisesse também, hoje vou dormir na cama que tem seu cheiro embaixo das cobertas e isso é muito injusto com a dona da casa.
A propósito, ouvi dizer que o clichê é uma verdade dita repetidas e repetidas e repetidas vezes.
Você disse que 'dai' não entram nem saem sentimentos; tudo bem por mim, desde que você converse com os meus enquanto fumam do outro lado da rua observando sua indiferença entrar e sair da área VIP.
Soube, dia desses, que é se perdendo amores que se ganha poesia; discordo: acredito que não seja necessário ter amor para se ter poesia, e essas palavras são a prova viva de que sonho e líricos não andam de mãos dadas.
(mas ainda podem trocar olhares, do outro lado da rua).
Só volte, e eu prometo deixar essa coisa de meias palavras gastas se perder no meio das suas pernas, e prometi a mim mesma que não relataria sobre/para você, mas se a noite cai e o frio desce, seu abraço me aperta sem você por perto, eu não tenho muito o que fazer, a não ser: escrever
 
o tempo exato de um cigarro.

26/06

Nenhum comentário:

Postar um comentário