segunda-feira, 3 de junho de 2013

Quem sabe eu volte cedo. Ou não volte mais.

"Não vou querer ser o dono da verdade
Ainda há surpresas mas eu sempre quero mais!
É mesmo exagero ou vaidade
Eu não te dou sossego, eu não me deixo em paz.
Não vou pedir a porta aberta é como olhar pra trás
Não vou mentir nem tudo que falei eu sou capaz
Não vou roubar teu tempo, eu já roubei demais.
Tantas coisas fui acumulando em nossas vidas
E tô sentindo falta de um vão pra me esconder
Aos poucos fui ficando mesmo sem saída
Perder o vazio é empobrecer..."

P a u s a
Preciso de uma pausa disso.
Precisoparardeescreverpravocê.
Dia e noite, eu poderia fazer outras coisas, brincar de outro jeito.
Não posso mais, simplesmente, dispor o tempo que não tenho pra coisas que nunca terei. Tenho brincado de utopia dia e noite.
Eu sinto tanto por mim mesma, é horrível ter que parar de jogar pra quatro ventos as palavras que me incomodam.
Mas ontem eu guardei as fotos.
Hoje, guardo as palavras.
E tudo o que me restará serão suas letras no meu braço, que agora não saem mais, nunca mais. E eu as verei todos os dias, todos os segundos, e só pensarei que um dia podemos voar juntas, mas esse dia não é hoje, e que assim seja.
Pausa
Me darei uma pausa de dores, de sabores que não atingem mais o meu paladar pouco aguçado.
Te desejo toda a sorte do mundo.
E me desejo calma.
E um pouco mais de paciência.

PAUSA.

14:14h, make a wish, baby.

03/06/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário