quinta-feira, 16 de maio de 2013

G R I T A


Então vida, só uma pergunta: é assim que vai ser? 
Tudo bem pra mim, já que você tá se fodendo pras minhas situações, vou me foder pra elas também. 
Quer sair comigo? Eu saio. 
Quer me jogar num quarto? Eu fico. 
Quer me contratar para o que eu não quero? Aceito. 
Quer me por pra estudar tudo o que não se relaciona a mim? Estudo. 
Será que assim as nuvens saem e um quase sol tome conta da fase de merda?! Porque, sabe, eu não vou mais brigar por coisas melhores; todos que lutam pelo o que querem só se machucam. Eu não vou mais procurar verbos ou locações ou empregos. Não vou mais procurar razões pra ficar bem, só quero ficar a partir de agora. Não vou mais procurar cheiros ou necessidades ou instantes que valham, só quero instantes agora, porque se isso me manter na quase sanidade, eu topo, já que tudo o que almejo tem me levado pra um abismo insano de fracassos. 
Fotos? Não fotografo.
Amar? Não amo.
Querer? Não quero.
Mas eu escrevo porque isso nada nem ninguém pode tirar de mim. Eu escrevo no desespero de ser feliz. Escrevo no desespero de almejar possibilidades. 
Abrirei as portas, as janelas, as pernas. 
Saudade? Já não sinto.
Sono? Já não sinto.
Cansaço? Já não sinto.
Já não me sinto mesmo, pra que insistir numa abstinência infinita? Eu já não sinto...
Uma coisa boa essa merda de fase tem: palavras. 
E que se foda, de novo e mais uma vez. 

16/05/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário