domingo, 17 de março de 2013

antesdachuva.


A cada dia que passa eu me sinto com menos tempo. É coincidência demais pra ser só isso. Isso por isso, sabe? Não acredito mais. Tô sentindo que os textos continuarão onde estão por mais milênios até que um novo projeto seja feito e eles possam ser lidos como literatura clássica, talvez. E as pessoas voltem a ser elegantes 

e, 

e.

Sinto, a cada dia que passa, que meu mundo está desabando e minha cabeça dói tão intensamente que parece que estão tirando tudo o que tem nela para que não seja perda de informação - quase um HD externo de mim. O que não seria de todo ruim, desde que eu tivesse acesso à ele as vezes...
Tenho acreditado e aceitado e esnobado coisas demais em mesma proporção. Tenho tido tudo em muito pouco tempo, desde coisas incríveis a coisas medonhas, como se em menos de vinte anos eu tivesse tendo um intensivo da vida pela falta de tempo que ainda me sobra. Não sei ao certo o porque dessa sensação visceral que me assola de repente, mas está me carcomendo muito concretamente para que seja ignorada. E até voltei a escrever rápido, sem pensar, sem sentir muito. Talvez, durante a noite tenham me transformado em um robô pela falta de amores que a vida tem me oferecido. Talvez seja apenas uma fase dentre tantas que me fazem querer escrever e ter medo da chuva que ameaça cair ensandecidamente pela e na minha janela, encharcando meu chão com um teto, encharcando meus pés que pisarão corridos na rua.  
T a l v e z.
E a hora não passa rápido o suficiente para que eu saia de casa antes da chuva.

06/03/2013

2 comentários:

  1. parece que com a chuva, algumas coisas na vida vão se apagando. algumas dignas de serem apagadas, outras nem um pouco... errar faz parte. o importante é aceitar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. as coisas signas de serem apagadas se apagam por si só. essas outras 'nem um pouco' insistirei, mesmo que sozinha, até cansar. e ao que parece, eu nunca vou cansar. errar faz parte, o importante é perdoar.

      Excluir