domingo, 3 de fevereiro de 2013

- Oh, oh, oh..


Não é que eu goste disso. 
O que eu gosto ou deixo de gostar, pouco importa no final; está em questão apenas se eu utilizo disso ou se eu preciso disso. 
E sim, tanto utilizo os sentimentos confusos que os preciso existentemente. 
É uma questão de necessidade poeticamente oxigenica
Quando as coisas saem do seu controle 
e todas as situações remetem-se a um mesmo sentimento. 
Mas agora, 
tentando escrever sobre essa minha apneia, 
percebi que talvez seja necessário sentir um pouco menos por você, 
superficialmente, 
sorrateiramente, 
porque essa intensidade abstrata está me deixando verbalmente calada, 
e disso eu não preciso. 

29/01/2013

Um comentário:

  1. Adoro tudo o que vc escreve, parabns mais um texto profundo e encantadoramente labirintico, dá vontade de se perder nas suas letras!

    ResponderExcluir