terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Las Vegas: como eu conheci.


Eu nunca te falei o quanto você faz falta... Aliás, já falei sim, sempre que possivel, mas é que hoje está latente: você me faz falta. Demais.
Sinto falta de você ser mais calma que eu e me mandar calar a boca por cinco minutos, se chamar de velha, dizer que não aguenta o pique, e me ligar de noite me chamando pra sair.
Sinto falta de você chamar todo o mundo e mais de hipocritas e dizer que eu sou a mais madura deles apesar de chegar aos 27 anos jurando que terei 100.
Sinto falta de você expor sua opinião interrompendo minhas falas e eu degusto todas as suas idéias por mais que não concordemos, a gente se respeita tanto, e isso é tão bonito!
Sinto falta, as vezes, até de te deixar chateada, porque assim eu sei que você ainda está do meu lado, se preocupando com as minhas grosserias.
Sinto falta de receber altos tapas na cara quando você já está... 5h no sábado!
Sinto falta de me preocupar se você chegou ou não em casa depois de conhecer um louco da internet. Sinto falta até de ir pra casa desses loucos com você!
Sinto falta das suas frases bem planejadas, que me inspiram cronicas sobre tudo ou nada.
Sinto falta dos seus atrasos imensuráveis e sua cara de contente quando chega, já reclamando que tá cansada porque é uma viagem me encontrar.
Sinto falta de te respeitar e respeitar seus defeitos e admirar profundamente todas as suas qualidades.
Esses dias, depois de muito tempo (foi muito pra mim) nos encontramos de novo. Você me fez esperar sentada por longos quarentas minutos embaixo do ar condicionado enquanto eu lutava com a minha rinite. Eu tinha já um discursso preparado, uma bronca na ponta de lingua. Mas então te vi chegando, e percebi que eu te amo assim mesmo, com seus atrasos e expressões perdidas, e que não valeria a pena perder qualquer segundo apenas pra tentar consertar uma caracteristica sua que, sabemos, nunca vai mudar - você nasceu enrolada, você é enrolada. E percebi naquele momento que isso é uma das coisas que mais gosto em você: ninguém fala quando você tem que fazer o que tem que fazer, é seu tempo e você simplesmente faz quando quer. Se isso é bom ou ruim, as pessoas que decidam, eu apenas acho que isso é outro pedaço de você, e resolvi admitir nossa amizade através de aceitações.
Eu tenho cada dia que passa aceitado mais toda você. E é você que quero em shows, em casa, em filmes, em viagens, em estudos, nos cafés, nas cervejas, nas danças, nas drogas! É você que quero carregar a vida toda, mesmo que pra isso seja necessário cada uma voltar pra sua respectiva casa/quarto no fim do dia. A gente se amar significa a gente se cansar, e eu me canso pra que você apareça de novo com saudades.
Obrigada por ter, enfim, aparecido na minha vida.
Afinal, se isso não é amizade, eu não sei mais o que é.

17/12/12

Nenhum comentário:

Postar um comentário