sábado, 28 de maio de 2011

Os cravos rubros

Louise Michel: Os cravos rubros


Os cravos rubros
Quando ao negro cemitério eu for,
Irmão, coloque sobre sua irmã,
Como uma última esperança,
Alguns 'cravos' rubros em flor.
Do Império nos últimos dias
Quando as pessoas acordavam,
Seus sorrisos eram rubros cravos
Nos dizendo que tudo renasceria.
florescerão nas sombras
de negras e tristes prisões.
Vão e desabrochem junto ao preso sombrio
E lhe diga o quanto sinceramente o amamos.
Digam que, pelo tempo que é rápido,
Tudo pertence ao que está por vir
Que o dominador vil e pálido
Também pode morrer como o dominado.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Olá mundo, sou sua gatinha selvagem!

Sabe quando você só quer fumar um cigarro? Se sentir demais com menos? Não quantificar trajes, roupas que me engulam! Mas menos decência. Menos charme é sempre mais...

Sabe quando você acha sensualissimo tragar um cigarro e depois ver a fumaça saindo do seu pulmão já em carne viva?! Ah, não... Você não sabe! Você não sabe porque se limita a espaços muito pequenos, limita-se a parte do cérebro que te impuseram a usar. Mas, se eu quiser mais que isso? Mais que essa dicotomia esquerda e direita, ou quando muito a opção ‘central’.

Ah, sim, sim... Adoro centralizar as coisas, principalmente quando eu sou o centro de mim mesma e me adoro, me delicio, tenho orgasmos, tenho delírios. Adoro quando me olho no espelho e me identifico diversa de tudo o que me ensinaram até agora. Adoro olhar minhas expressões confusas.

Sou egoísta... Quem ousa falar meu nome em vão? Eu sou meiga e delicada, mas também sou persuasiva e filha da puta. Sou egoísta.

Mas não sou criativa. Pelo menos não tanto quanto o Clero Burguês.

Sou inteligente quando quero e quando posso...

Façamos assim: use suas rezas tão bem planejadas para tão bem executar suas mentiras. E depois me ensine a mentir.

Enquanto isso vou apreciar meu vicio, meu cigarro, meu fogo, minha fumaça.

“Hello Dad

Hello Mom

I’m your ch ch ch ch cherry bomb!”

26-05-2011

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Domingo (:

E justamente por causa do motivo da briga adoraria tê-lo agora.

Adoraria poder dormir tranquilamente, sem consciência nesse momento... E é, acho que to procurando o inconsciente diariamente! Tô procurando não chegar em casa, tô procurando manter minha estrutura moral intacta e ao mesmo tempo deixá-la pra depois. Sim, deixar essa minha consciência fora de mim, me perder de mim.

Que saudade do meu tempo de álcool todas as noites que me dava vontade, a diferença é que aqui, todas as noites me dão vontade de álcool, já que não conheço nada nesse espaço, nem mesmo a minha própria casa. Aliás, adoraria ter a minha casa para fugir quando quisesse. Meu quintal, meu barulho, meu quarto, minha cama, minhas putas. Acho que é isso: tô com saudade de sexo!!

E não fui para a sua casa porque não quero sexo com você – homens são muito para entretenimento, mulheres são mais... Mais entretenimento ainda, rá! Não estou sentimental hoje, estou física. Não estou querendo amar de novo, me apaixonar de novo, me decepcionar de novo. Estou querendo me divertir essa noite. Fumar meu cigarro ou meu motivo da briga, beber muito vinho ou muita pinga, ouvir músicas que me façam dançar, tocar meu pandeiro ou ouvir seu violão. Hoje quero flertar com vocês todos, jogar meu charme para todos que sentarem do meu lado, me sentir inteligente, divertida, sensual. Hoje quero me perder de mim, trocar de corpo, beber mais vinho!

E não vou dizer apenas hoje porque daqui um tempo vou querer sair de mim novamente. Quando falei que ia parar de brincar, estava brincando. Quando falei que teria que tomar meu rumo, ou cairia na contra-mão, estava brincando. Eu não sou esse tipo de menina que tento ser nem mesmo esse tipo de menina que sou. Eu estou preocupada com a fama que me convém e ao mesmo tempo estou estudando para que estereotipos não me definam. Eu estou perdendo assuntos, perdendo amigos, perdendo juízo! Estou mais política, mas o que é ser mais política? Entendo tanto mais do meu meio e ao mesmo tempo tanto menos do meu ser individual. Mas todos são tão individuais que tornou esse individualismo geral, e, sendo heterogêneo, não é mais singular. Entende o que quero dizer? Ótimo, porque eu também não. E se você tentar filosofar em cima do que eu escrevi, com regras sobre civil ou antropologia, desiste. Porque não tenta me desvendar sobre mim mesma? Porque não tenta me interpretar a parir do que eu falei anteriormente? Não no texto, mas há um ano atrás!

Cortaram meus batimentos cardíacos colados no espelho, cortaram meu nome, minha especificidade, minha pseudo-democracia...

AHAHAHHAHAA

Adoro ouvir minhas risadas internas. Sou egoísta, adoro ouvir minha alegria solitária.

Essa inspiração que vem a tona torna-se tão ‘nada’ perto de tudo o que parece que já veio... E quando me refiro a ‘nada’, é realmente ‘nada’, e envolve ‘tudo’.

Sem aspas, sem aspas: tombadinho fica bom.

Essa inspiração que vem a tona torna-se tão ‘tudo’ perto de nada o que parece que já veio... E quando me refiro a ‘tudo’, é realmente ‘tudo’, e envolve ‘nada’.

Entende? Eu sei de nada, sei de nada... Eu? Só tenho dúvidas!

15-05-2011

quarta-feira, 11 de maio de 2011

17/01/ ;)

Dia 17 de Janeiro, dia de fazer fogueira
Queimar erva cidreira, deixar o vento çevar o cheiro de azedume ladeira abaixo.

Vem! Vem junto com o vento, deita no comprimento do meu corpo sobre terra.
Vou perder a noção de hora,
SÓ QUERO SE FOR AGORA!
Mas agora pode esperar...
Vem! Que de uma data controvérsia, pode rolar a festa - pode ser pra festejar.

Dia 17 de Janeiro, de qual ano, de qual agenda?
Dia 17 de Janeiro pode ser qualquer dia,
desde que seja de folia, bagunça organizada
e se dançar der em nada erga a voz junto com o vento
sopre sobre o firmamento e a fraternidade dos que não o são.

Se é pra ser tão desinteressante, então que seja em outra concepção
O que interessa é relativo
e ainda não ofereci nenhum motivo pra abaixar a voz.

Educação é primordial, não a descarte para o final
porque tudo tem uma base.
E se seu 'A' acentuar com crase, mudou o meu sentido
Mudou a minha história, mudou a hipocrisia que se alimenta dessa classe
QUE NÃO SABE SE SUBORDINAR!

Associação Vila Socialista - 10/05/2011

quarta-feira, 4 de maio de 2011

05/05 (:

E quanto a você?!
Ah... Essa pergunta que não quer calar
Não tem resposta.
Você está aqui, está bem
E até apaixonada.
Mas, quanto você em mim?!
Ah.. Essa pergunta que não quero falar
Mas não tem resposta.