segunda-feira, 8 de novembro de 2010

nadapessoal ;x

Começar um pane:
gritar, se julgar vítima...
Isso nunca ajudou, garanto e aposto.
Piedade nunca foi meu forte!
Sou uma grande cúmplice da minha poesia,
Inventora de palavras, uma amante de coisas medianas;
Tenho fome de instruções e sede de irresurreiçoes
Tenho desejos de você acordando do meu lado, observando o meu calor ilimitado
Compartilhando esse sono salgado.
E eu me pergunto: onde foi parar a máscara que conservei?
A minha máscara de gelo derreteu-se e fundiu com as lágrimas do meu heterônimo que vive fora de mim.
Sou uma pescadora de estrelas e de sol
E quando jogo meu anzol e fisgo a luz que até hoje me acompanha...
Sou portadora.
Sou uma caçadora de idéias frívolas que, loucas para serem usadas, jogam-se às minhas armadilhas
Sou um ser impensante e incapaz de olhar a nudez com olhos de criança.


08/11

Nenhum comentário:

Postar um comentário