quarta-feira, 10 de novembro de 2010

nada pessoal

Abro a porta e ela já está aberta
Olhos atentos, boca sedenta
Corpo parado a minha frente
Eu tenho duas opções, uma em cada mão
aceitei, acertei, e você entrou.
OLÁ, QUERIDA!
Como é flutuar?! Como é estar na brisa?!
Surreal...
Venha, já estamos aqui, então não pare.
Já que estamos aqui, vamos...
O que me diz de dormir com desconhecidos?!
Abrir os olhos em companhia desejada mas não familiar?
O que me diz de acordar em ambientes que não são meus ou seus?!
Olá, querida.
Se eu me perdi nos seus beijos?! Sim, eu me perdi
Se eu me perdi nos seus seios?! Sim, eu me perdi
Se eu quero me achar enquanto você tiver aqui do meu lado?!
Não, não faço questão.
Ah, como eu adoro esses olhos negros e longes e colados no meu.
Ah, como eu adoro seu sorriso saliente e melado - doce.
Se eu sentirei falta daquilo que não conheço?
Talvez eu sinta... E sentirei
E quero conhecer aquilo que me oferecem...
Mas, se oferecerem o troféu mas eu não puder pisar no pódio!?
Pois bem: olá, querida
Aguardarei minha recompensa até o próximo feriado
Nesse meio tempo, o sorriso cretino sem sair do rosto maquiado...

2-11

Nenhum comentário:

Postar um comentário