segunda-feira, 2 de agosto de 2010

31-07-2010

Por Brisa Biá e Andrea Kirkovits (kirkovits.blogspot.com)

Vamos lá.. de algum ponto temos que começar
temos que reescrever coisas ou escreve-las afina!?
não, verdade não temos que só reescreve-las,
nós poderiamos fazer melhor: sentir; por que não?
Poderíamos sentir sem entender...
Nem é necessário exatamente 'ser'!
Nunca é necesario ser, por que ser, já envolve muito do saber.
e eu quero sensações, quero estourar meus tendões.
eu quero ser o centro, quero ser sem poder!
eu quero aliviar minhas pressões e borbulhar!
VAMOS BORBULHAR, como espumante em reveillon.
Ou sera que poderiamos ser como um velho vinho?
que SEMPRE começa de maneira tão inocente:
uma taça antes de degustar aquele desejado prato principal, quando se esta faminto!
Poderiamos apenas ser uma bebida maliciosa que escorre pelo canto da boca...
Poderiamos apenas ser as palavras que transgridem atraves dos meus dentes para o ceu da sua boca...
Poderiamos apenas ser.
Deixemos que seja como houver de ser!
mas quando se fala em apenas ser?, conforme manda o verbo, a que se refere mesmo de maneira tão enfática?
tão enfatica, tão especifica e tão limitada..
mas qual o motivo disso!? sei que podemos mais! sei que podemos alcaçar o céu e abraçar a Lua.
E se fosse possivel, ate mesmo uma estrela cadente, para que um pedido fosse lançado no espaço,
para que na esperança de que esse se realize, a alma sossegue só um pouco.
Mas ql a logica mesmo?
A logica?! A logica pertence a industrias de brinquedos esquisofrenicos e infantis!
a minha brincandeira transpassa isso... A minha brincadeira sobe ao palco e dança.
Então, com todo respeito que se foda a logica!
Mas essa noite, não dançar sozinha seria uma ideia instigante,
apenas aquele ' boa noite ' descente.
Boa noite descente seria um beijo no rosto, e não os olhos estrelados...
Boa noite ardente seria meu corpo ao seu lado...
Sem deixar escapar que o descente, pode ser aquilo que se almeja no momento,
mas como uma boa parceira, pode-se dizer que sabe que eu adoro tudo aquilo que é indecente!
indecente é aquilo que você deseja e não menos que isso,
mas com a observação de que o desejo é pessoal,
mas quando se tem um corpo, no minimo instigante, do seu lado, a vontade se torna mutua.
Diga isso por quem!? Somos uma e nao sabemos... mas e as vontades?!
Elas duplicam-se, dividem, transboradam?! Ou ignoram todo e qualquer impecilio?!
Se igonar é um fato, que seja arte do destino, não nossa...
A nossa arte tem que ser pintada, louvada, adorada, por ninguem mais, ninguem menos que nos mesmos!
Amém!


Nenhum comentário:

Postar um comentário